-

Roger prevê jogo competitivo em volta do Brasileirão: ‘Até eu quero entrar em campo’


Após 35 dias sem entrar em campo por uma competição oficial, o Palmeiras enfrenta o Santos nesta quinta-feira (19), em partida válida pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 20h, no estádio do Pacaembu. Em preparação para a retomada do calendário do futebol após a pausa ocasionada pela Copa do Mundo, o técnico Roger Machado considera que o período longe dos gramados não é um problema e pode inclusive aumentar a competitividade de sua equipe.

“Esse longo tempo gera uma saudade imensa do campo, o nível está pronto para ser exercido. A competitividade vem com os mais de 30 jogos que fizemos na temporada. O que me preocupa é a sequência de jogos decisivos. O líder tem oito pontos na frente, o bloco entre segundo e sexto colocados tem quatro pontos de diferença. As equipes mudaram de cara neste intervalo, não sabemos se vão manter o ritmo ou sofrer uma queda de rendimento. Sobre competitividade, até eu tenho vontade de entrar em campo depois de tantos dias", afirmou.

Com jogadores que normalmente figuram no time titular lesionados, caso de Borja, ou suspensos, como Jailson e Dudu, o treinador pretende promover mudanças na escalação inicial para o clássico desta semana. "O time ideal é o que está indo para campo em função das ausências. Não vejo prejuízo nenhum, esta fase de preparação foi importante em vários aspectos. Tivemos a possibilidade de trabalhar bastante esta equipe que a gente desenhou para o clássico contra o Santos. Muda característica, não prejuízo. Talvez tenha até acréscimo em alguns momentos", avaliou o comandante.

Outras mudanças serão necessárias em virtude da saída de atletas nesta janela de transferências e a volta de peças importantes ao elenco, como o meio-campista Gustavo Scarpa, que foi testado no lugar de Keno nas partidas amistosas disputadas nesta intertemporada.

"Não tenho dúvida que ele será uma peça muito importante neste novo contexto. É uma sensível alteração de característica, em função da saída do Keno. Nós centralizávamos as nossas ações de profundidade nele, porque o Dudu pela esquerda vem mais para o meio. Com Scarpa e Hyoran, temos jogadores que gostam da zona central, que têm destreza para jogar por alí. Isso libera os corredores para a passagem dos laterais. É uma sensível alteração que pode gerar um benefício para a gente", analisou Roger Machado.
Share on Google Plus

About Vinicius Santos

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário