-

Após sufoco do Rosario, Verdão cobra posse de bola contra Nacional




Há uma semana, Marcelo Oliveira vivia sob pressão de demissão. Duas vitórias seguidas - sobre o argentino Rosario Central, pela Copa Libertadores da América, e o Capivariano, pelo Campeonato Paulista, ambas no Allianz Parque -, porém, mudaram o ambiente no Palmeiras. A preocupação, agora, é não se empolgar.
 

Para receber o Nacional do Uruguai, nesta quarta-feira, por exemplo, o time carregará a lembrança da pressão sofrida na vitória sobre o Rosario. A cobrança é para que a equipe fique mais com a bola e não dê espaço para outro sufoco como o imposto pelos visitantes na última semana ao longo de todo segundo tempo.
 

"O primordial é ficar com a bola, para conseguir sair de trás e armar o nosso time. Temos qualidade, toque de bola, contra-ataque, mas precisamos ficar um pouco com a bola e não ter tanto sufoco", comentou o zagueiro Thiago Martins, que teve trabalho naquela etapa, quando o Palmeiras finalizou só duas vezes.
 

"Será um jogo muito parecido. Times argentinos e uruguaios são muito fortes na marcação e também jogam bem. Precisamos melhorar do que fizemos contra o Rosario Central. Não podemos cometer o erro de ficar atrás e dar a bola para eles jogarem. Qualquer time com a bola complica o adversário. Precisamos ficar mais com a bola e, sem a posse, pressionar para recuperar rápido", avisou o meia Allione.
 

O Palmeiras já enfrentou o Nacional em 2016, ficando no 0 a 0 durante torneio amistoso na pré-temporada, no Uruguai, e perdendo nos pênaltis. A sensação é de que o Rosario Central impõe mais dificuldades. Mas o time se recusa a achar que o adversário desta semana tem qualidade inferior aos argentinos.
 

"Não sei se posso falar que o Nacional é melhor ou pior do que o Rosario Central, mas todos os times são difíceis. Será um jogo típico de Libertadores, com muita raça, mas precisaremos também jogar para ganhar a partida", alertou Allione.
 

"O Rosario tem muita qualidade, conseguiu nos envolver e tocou bastante a bola. Estivemos organizados na linha de quatro lá atrás, só que acabamos voltando para trás da linha da bola e demos a vida para conseguir o resultado. Um errozinho podia comprometer tudo. Esperamos não ter essa pressão", concordou Thiago Martins.  


Fonte: ESPN
Share on Google Plus

About Vinicius Santos

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário